terça-feira, 4 de janeiro de 2011

Noite suja

(p/ padre ticão)

noite suja do itaim paulista
não traga hoje, eu suplico
para dentro do meu coração
a tristeza homicida
das favelas florescidas
às beiras dos seus córregos mortos

não derrame nos meus ouvidos
o aço fervente das navalhas
da sua dor enferrujada
partida em infinitos estilhaços
espalhados pelos becos devorados
na escuridão medonha
dos points de prostituição
e crackolândias lancinantes

não despeje nos meus dentes
hoje não
a corrosiva tristeza fétida
dos pássaros noturnos que aplaudem
com uivos metálicos e dilacerantes
a sombra pavorosa  dos abismos velozes
sobre desempregados, bêbados e viciados
sem falar das suas crianças cinzentas
nos semáforos sem futuro

não embrulhe hoje o meu estômago
com o cheiro das canções suicidadas
por águias rapineiras pousadas
nas cabeças dos espantalhos vigilantes
em entradas e saídas da cptm
na vila mara, itaim e jardim romano
que vomitam nas ruas pobres
oh noite suja
seus estudantes tristes
e seus trabalhadores derrotados.

akira -03/01/2011.

2 comentários:

  1. carlos Alberto - zelador do Brooklin5 de janeiro de 2011 09:59

    Ola amigo Akira,

    Que beleza de poema meu caro...que coisa mais triste e ao mesmo tempo profunda...parabéns

    ResponderExcluir
  2. Minha aflição sem cura, caro zelador do Brooklin, tem dias que vejo algumas coisas que o vômito sobe até a garganta, até o cérebro.

    ResponderExcluir